segunda-feira, março 05, 2018

OSCARS 2018




OSCARS 2018

E os Oscars foram para (todas as nomeações e os vencedores a vermelho):

Best Picture:
“Call Me by Your Name”
“Darkest Hour”
“Dunkirk”
“Get Out”
“Lady Bird”
“Phantom Thread”
“The Post”
“The Shape of Water”
“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”

Lead Actor:
Timothée Chalamet, “Call Me by Your Name”
Daniel Day-Lewis, “Phantom Thread”
Daniel Kaluuya, “Get Out”
Gary Oldman, “Darkest Hour”
Denzel Washington, “Roman J. Israel, Esq.”

Lead Actress:
Sally Hawkins, “The Shape of Water”
Frances McDormand, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”
Margot Robbie, “I, Tonya”
Saoirse Ronan, “Lady Bird”
Meryl Streep, “The Post”

Supporting Actor:
Willem Dafoe, “The Florida Project”
Woody Harrelson, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”
Richard Jenkins, “The Shape of Water”
Christopher Plummer, “All the Money in the World”
Sam Rockwell, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”

Supporting Actress:
Mary J. Blige, “Mudbound”
Allison Janney, “I, Tonya”
Lesley Manville, “Phantom Thread”
Laurie Metcalf, “Lady Bird”
Octavia Spencer, “The Shape of Water”

Director:
“Dunkirk,” Christopher Nolan
“Get Out,” Jordan Peele
“Lady Bird,” Greta Gerwig
“Phantom Thread,” Paul Thomas Anderson
“The Shape of Water,” Guillermo del Toro

Animated Feature:
“The Boss Baby,” Tom McGrath, Ramsey Ann Naito
“The Breadwinner,” Nora Twomey, Anthony Leo
“Coco,” Lee Unkrich, Darla K. Anderson
“Ferdinand,” Carlos Saldanha
“Loving Vincent,” Dorota Kobiela, Hugh Welchman, Sean Bobbitt, Ivan Mactaggart, Hugh Welchman

Animated Short:
“Dear Basketball,” Glen Keane, Kobe Bryant
“Garden Party,” Victor Caire, Gabriel Grapperon
“Lou,” Dave Mullins, Dana Murray
“Negative Space,” Max Porter, Ru Kuwahata
“Revolting Rhymes,” Jakob Schuh, Jan Lachauer

Adapted Screenplay:
“Call Me by Your Name,” James Ivory
“The Disaster Artist,” Scott Neustadter & Michael H. Weber
“Logan,” Scott Frank & James Mangold and Michael Green
“Molly’s Game,” Aaron Sorkin
“Mudbound,” Virgil Williams and Dee Rees


Original Screenplay:
“The Big Sick,” Emily V. Gordon & Kumail Nanjiani
“Get Out,” Jordan Peele
“Lady Bird,” Greta Gerwig
“The Shape of Water,” Guillermo del Toro, Vanessa Taylor
“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri,” Martin McDonagh

Cinematography:
“Blade Runner 2049,” Roger Deakins
“Darkest Hour,” Bruno Delbonnel
“Dunkirk,” Hoyte van Hoytema
“Mudbound,” Rachel Morrison
“The Shape of Water,” Dan Laustsen

Best Documentary Feature:
“Abacus: Small Enough to Jail,” Steve James, Mark Mitten, Julie Goldman
“Faces Places,” JR, Agnès Varda, Rosalie Varda
“Icarus,” Bryan Fogel, Dan Cogan
“Last Men in Aleppo,” Feras Fayyad, Kareem Abeed, Soren Steen Jepersen
“Strong Island,” Yance Ford, Joslyn Barnes

Best Documentary Short Subject:
“Edith+Eddie,” Laura Checkoway, Thomas Lee Wright
“Heaven is a Traffic Jam on the 405,” Frank Stiefel
“Heroin(e),” Elaine McMillion Sheldon, Kerrin Sheldon
“Knife Skills,” Thomas Lennon
“Traffic Stop,” Kate Davis, David Heilbroner

Best Live Action Short Film:
“DeKalb Elementary,” Reed Van Dyk
“The Eleven O’Clock,” Derin Seale, Josh Lawson
“My Nephew Emmett,” Kevin Wilson, Jr.
“The Silent Child,” Chris Overton, Rachel Shenton
“Watu Wote/All of Us,” Katja Benrath, Tobias Rosen

Best Foreign Language Film:
“A Fantastic Woman” (Chile)
“The Insult” (Lebanon)
“Loveless” (Russia)
“On Body and Soul (Hungary)
“The Square” (Sweden)

Film Editing:
“Baby Driver,” Jonathan Amos, Paul Machliss
“Dunkirk,” Lee Smith
“I, Tonya,” Tatiana S. Riegel
“The Shape of Water,” Sidney Wolinsky
“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri,” Jon Gregory

Sound Editing:
“Baby Driver,” Julian Slater
“Blade Runner 2049,” Mark Mangini, Theo Green
“Dunkirk,” Alex Gibson, Richard King
“The Shape of Water,” Nathan Robitaille, Nelson Ferreira
“Star Wars: The Last Jedi,” Ren Klyce, Matthew Wood

Sound Mixing:
“Baby Driver,” Mary H. Ellis, Julian Slater, Tim Cavagin
“Blade Runner 2049,” Mac Ruth, Ron Bartlett, Doug Hephill
“Dunkirk,” Mark Weingarten, Gregg Landaker, Gary A. Rizzo
“The Shape of Water,” Glen Gauthier, Christian Cooke, Brad Zoern
“Star Wars: The Last Jedi,” Stuart Wilson, Ren Klyce, David Parker, Michael Semanick

Production Design:
“Beauty and the Beast,” Sarah Greenwood; Katie Spencer
“Blade Runner 2049,” Dennis Gassner, Alessandra Querzola
“Darkest Hour,” Sarah Greenwood, Katie Spencer
“Dunkirk,” Nathan Crowley, Gary Fettis
“The Shape of Water,” Paul D. Austerberry, Jeffrey A. Melvin, Shane Vieau

Original Score:
“Dunkirk,” Hans Zimmer
“Phantom Thread,” Jonny Greenwood
“The Shape of Water,” Alexandre Desplat
“Star Wars: The Last Jedi,” John Williams
“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri,” Carter Burwell

Original Song:
“Mighty River” from “Mudbound,” Mary J. Blige
“Mystery of Love” from “Call Me by Your Name,” Sufjan Stevens
“Remember Me” from “Coco,” Kristen Anderson-Lopez, Robert Lopez
“Stand Up for Something” from “Marshall,” Diane Warren, Common
“This Is Me” from “The Greatest Showman,” Benj Pasek, Justin Paul

Makeup and Hair:
“Darkest Hour,” Kazuhiro Tsuji, David Malinowski, Lucy Sibbick
“Victoria and Abdul,” Daniel Phillips and Lou Sheppard
“Wonder,” Arjen Tuiten

Costume Design:
“Beauty and the Beast,” Jacqueline Durran
“Darkest Hour,” Jacqueline Durran
“Phantom Thread,” Mark Bridges
“The Shape of Water,” Luis Sequeira
“Victoria and Abdul,” Consolata Boyle

Visual Effects:
“Blade Runner 2049,” John Nelson, Paul Lambert, Richard R. Hoover, Gerd Nefzer
“Guardians of the Galaxy Vol. 2,” Christopher Townsend, Guy Williams, Jonathan Fawkner, Dan Sudick
“Kong: Skull Island,” Stephen Rosenbaum, Jeff White, Scott Benza, Mike Meinardus
“Star Wars: The Last Jedi,”  Ben Morris, Mike Mulholland, Chris Corbould, Neal Scanlan
“War for the Planet of the Apes,” Joe Letteri, Dan Lemmon, Daniel Barrett, Joel Whist

quarta-feira, fevereiro 28, 2018

DUNKIRK



DUNKIRK

A chamada batalha de Dunquerque decorreu durante a II Guerra Mundial, em território francês. Tropas francesas, inglesas, belgas, entre outras, ficaram isoladas e encurraladas pelo avanço nazi na costa de Dunquerque, entre finais de Maio e o dia 4 de Junho de 1940. Esta batalha teve um desfecho trágico, pelo número de baixas que se verificaram, sobretudo do lado dos Aliados, mas a conclusão é complexa e contraditória: pode falar-se, de um lado e do outro, de vitória e derrota. Os Aliados tiveram de retirar numa situação não muito heroica, mas essa retirada acaba por ser uma vitória, pois evita a morte de quase 350.000 militares, de entre os mais de 400.000 que ali se encontravam concentrados, à mercê do avanço da infantaria alemã e dos raids da Luftwaffe. Por outro lado, os nazis conseguiram expulsar da região aquele contingente de tropas militares inimigas, mas acabaram por sentirem frustrados os seus intentos, pois a grande maioria deles escapou numa operação naval de grande fôlego, desencadeada pelo Reino Unido, sob o comando persistente de Winston Churchill (veja-se o filme “Darkest Hour”, que explica bem a génese desta iniciativa).
Perante o quadro existente na altura (400.000 militares encurralados e à espera de uma morte anunciada, numa praia do norte de França), duas atitudes se colocavam aos altos dirigentes políticos e militares ingleses: ou tornam aqueles militares vítimas indefesas dos nazis, dada a dificuldade de os defender ou tentam evacuá-los numa perspectiva quase suicida, quer para os encurralados, quer para os que os iriam tentar libertar. Optou-se pela última solução, enviando para Dunquerque vários navios de guerra, mas igualmente centenas de pequenas embarcações de pesca ou de recreio, que partiram do porto de Dover, sob o comando do vice-almirante Bertram Ramsay. A esta operação foi dado o nome de Dinamo.
É este o quadro do último filme de Christopher Nolan, que foi nomeado para oito Oscars, entre os quais o de Melhor Filme e Melhor Realizador. 
Christopher Nolan é um dos realizadores norte-americanos mais interessante entre os revelados já no século XXI. Norte-americano por quase toda a sua obra ser produzida e realizada em estúdios de Hollywood, apesar da sua naturalidade ser inglesa (nasceu em Londres a 30 de Julho de 1970). Mas já assinou títulos notáveis e de grande originalidade, como “Memento” (2000), “Insónia” (2002), “Batman, o Início” (2005), “O Terceiro Passo” (2006), O Cavaleiros das Trevas (2008), “A Origem” (2010), “O Cavaleiro das Trevas Renasce” (2012) ou “Interstellar” (2014), todos anteriores a “Dunkirk” (2017). Uma conclusão se pode desde logo retirar deste conjunto de obras: o seu autor consegue conciliar com extremo equilíbrio o sucesso comercial e o rigor de um verdadeiro autor, com uma temática própria e um gosto facilmente identificável de uma narrativa original, jogando sobretudo com o factor tempo (ou com tempos diversos).
“Dunkirk” é um filme brilhante sob diversos pontos de vista. Transformar uma retirada estratégica num acto heroico é conseguido de forma notável. Não há praticamente heróis individuais, há uma força colectiva que se movimenta, nas praias de Dunquerque ou nas águas do canal da Mancha, por ar, mar e terra. Consegue montar em paralelo estas acções, ora documentando a espera da morte, ou de um barco salvador, nas areias da praia, ora acompanhando batalhas aéreas entre pilotos britânicos e alemães, ora testemunhando a odisseia de barcos de guerra ou de pequenas embarcações com civis voluntários que se oferecem para esta acção quase suicida de resgate. O clima de inquietação e suspense é magnificamente dado pela montagem de Lee Smith, a fotografia de Hoyte Van Hoytema consegue uma tonalidade de quotidiano dramatismo que se impõe, a música de Hans Zimmer e todo o som do filme criam uma banda sonora de grande carga emotiva, sem, no entanto, ser redundante ou excessiva. A interpretação, sem grandes sobressaltos individuais, alia-se a essa intenção de produzir uma gesta colectiva. Um belíssimo e pungente filme que ajuda a consolidar a imagem de um cineasta.



DUNKIRK
Título original: Dunkirk
Realização: Christopher Nolan (Inglatewrra, EUA, 2017); Argumento:

Christopher Nolan; Produção: Christopher Nolan, Maarten Swart, Emma Thomas, Andy Thompson, John Bernard, Erwin Godschalk, Jake Myers; Música: Hans Zimmer; Fotografia (cor): Hoyte Van Hoytema; Montagem: Lee Smith; Casting: John Papsidera, Toby Whale; Design de produção: Nathan Crowley; Direcção artística: Toby Britton, Oliver Goodier, Kevin Ishioka, Eggert Ketilsson, Benjamin Nowicki, Erik Osusky; Decoração: Emmanuel Delis, Gary Fettis; Guarda-roupa: Jeffrey Kurland; Maquilhagem: Luisa Abel, Jessica Brooks, Nicola Buck, Patricia DeHaney, etc. Direcção de Produção: Daniel-Konrad Cooper, Chris Dowell, Christine Raspillère, Page Rosenberg-Marvin, Nicky Tüske; Som: Richard King; Efeitos especiais: Karine Branco, Ian Corbould, Paul Corbould, Tony Edwards, Marie Korf, Jason Leinster, Ben Vokes; Efeitos visuais: Nick Ghizas, Arushi Govil, Andrew Jackson, Anshul Kashyap, Anne Putnam Kolbe, Liz Mann, Jeff Reeves,  Emma Rider; Companhias de produção: Syncopy, Warner Bros., Dombey Street Productions, Kaap Holland Film, Canal+, Ciné+, RatPac-Dune Entertainment; Intérpretes: Fionn Whitehead (Tommy), Damien Bonnard (soldado francês), Aneurin Barnard (Gibson), Kenneth Branagh (comandante Bolton), Tom Nolan, James D'Arcy, Lee Armstrong, James Bloor, Barry Keoghan, Mark Rylance, Tom Glynn-Carney, Tom Hardy, Jack Lowden, Luke Thompson, Michel Biel, Constantin Balsan, Billy Howle, Mikey Collins, Callum Blake, Dean Ridge, Bobby Lockwood, Will Attenborough, James D'Arcy, Matthew Marsh, Cillian Murphy, Adam Long, Harry Styles, Miranda Nolan, Bradley Hall, Jack Cutmore-Scott, Brett Lorenzini, Michael Fox, Brian Vernel, Elliott Tittensor, Kevin Guthrie, Harry Richardson, etc. Duração: 104 minutos; Distribuição em Portugal: NOS Audiovisuais; Classificação etária: M/ 12 anos; Data de estreia em Portugal: 20 de Julho de 2017. 

quarta-feira, fevereiro 21, 2018

BAFTA 2018: OS VENCEDORES



BAFTA 2018: OS VENCEDORES 
19 de Fevereiro de 2018
A lista dos vencedores:

Melhor Filme
CALL ME BY YOUR NAME
DARKEST HOUR
DUNKIRK
THE SHAPE OF WATER
THREE BILLBOARDS OUTSIDE EBBING, MISSOURI

Melhor Realizador
BLADE RUNNER 2049, Denis Villeneuve
CALL ME BY YOUR NAME, Luca Guadagnino
DUNKIRK, Christopher Nolan
THE SHAPE OF WATER, Guillermo del Toro
THREE BILLBOARDS OUTSIDE EBBING, MISSOURI, Martin McDonagh

Melhor Atriz
ANNETTE BENING - Film Stars Don’t Die in Liverpool
FRANCES McDORMAND - Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
MARGOT ROBBIE - I, Tonya
SALLY HAWKINS - The Shape of Water
SAOIRSE RONAN - Lady Bird

Melhor Ator
DANIEL DAY-LEWIS - Phantom Thread
DANIEL KALUUYA - Get Out
GARY OLDMAN - Darkest Hour
JAMIE BELL - Film Stars Don’t Die in Liverpool
TIMOTHÉE CHALAMET - Call Me by Your Name

Melhor Atriz Secundária
ALLISON JANNEY - I, Tonya
KRISTIN SCOTT THOMAS - Darkest Hour
LAURIE METCALF - Lady Bird
LESLEY MANVILLE - Phantom Thread
OCTAVIA SPENCER - The Shape of Water

Melhor Ator Secundário
CHRISTOPHER PLUMMER All the Money in the World
HUGH GRANT Paddington 2
SAM ROCKWELL Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
WILLEM DAFOE The Florida Project
WOODY HARRELSON Three Billboards Outside Ebbing, Missouri

Filme Britânico Excecional
DARKEST HOUR
THE DEATH OF STALIN
GOD’S OWN COUNTRY
LADY MACBETH
PADDINGTON 2
THREE BILLBOARDS OUTSIDE EBBING, MISSOURI

Estreia Excecional de Argumentista, Realizador ou Produtor Britânico
THE GHOUL Gareth Tunley (Argumentista/Realizador/Produtor), Jack Healy Guttman & Tom Meeten (Produtor)
I AM NOT A WITCH Rungano Nyoni (Argumentista/Realizador), Emily Morgan (Produtor)
JAWBONE Johnny Harris (Argumentista / Produtor), Thomas Napper (Realizador)
KINGDOM OF US Lucy Cohen (Realizador)
LADY MACBETH Alice Birch (Argumentista), William Oldroyd (Realizador), Fodhla Cronin O’Reilly (Produtor)

Melhor Filme em Língua Estrangeira
ELLE
FIRST THEY KILLED MY FATHER
THE HANDMAIDEN
LOVELESS
THE SALESMAN

Melhor Documentário
CITY OF GHOSTS
I AM NOT YOUR NEGRO
ICARUS
AN INCONVENIENT SEQUEL
JANE

Melhor Filme de Animação
COCO
LOVING VINCENT
MY LIFE AS A COURGETTE

Melhor Argumento Original
GET OUT Jordan Peele
I, TONYA Steven Rogers
LADY BIRD Greta Gerwig
THE SHAPE OF WATER Guillermo del Toro, Vanessa Taylor
THREE BILLBOARDS OUTSIDE EBBING, MISSOURI Martin McDonagh

Melhor Argumento Adaptado
CALL ME BY YOUR NAME James Ivory
THE DEATH OF STALIN Armando Iannucci, Ian Martin, David Schneider
FILM STARS DON’T DIE IN LIVERPOOL Matt Greenhalgh
MOLLY’S GAME Aaron Sorkin
PADDINGTON 2 Simon Farnaby, Paul King

Melhor Banda Sonora
BLADE RUNNER 2049 Benjamin Wallfisch, Hans Zimmer
DARKEST HOUR Dario Marianelli
DUNKIRK Hans Zimmer
PHANTOM THREAD Jonny Greenwood
THE SHAPE OF WATER Alexandre Desplat

Melhor Fotografia
BLADE RUNNER 2049 Roger Deakins
DARKEST HOUR Bruno Delbonnel
DUNKIRK Hoyte van Hoytema
THE SHAPE OF WATER Dan Laustsen
THREE BILLBOARDS OUTSIDE EBBING, MISSOURI Ben Davis

Melhor Montagem
BABY DRIVER Jonathan Amos, Paul Machliss
BLADE RUNNER 2049 Joe Walker
DUNKIRK Lee Smith
THE SHAPE OF WATER Sidney Wolinsky
THREE BILLBOARDS OUTSIDE EBBING, MISSOURI Jon Gregory

Melhor Design de Produção
BEAUTY AND THE BEAST Sarah Greenwood, Katie Spencer
BLADE RUNNER 2049 Dennis Gassner, Alessandra Querzola
DARKEST HOUR Sarah Greenwood, Katie Spencer
DUNKIRK Nathan Crowley, Gary Fettis
THE SHAPE OF WATER Paul Austerberry, Jeff Melvin, Shane Vieau

Melhor Guarda-roupa
BEAUTY AND THE BEAST Jacqueline Durran
DARKEST HOUR Jacqueline Durran
I, TONYA Jennifer Johnson
PHANTOM THREAD Mark Bridges
THE SHAPE OF WATER Luis Sequeira

Melhor caraterização
BLADE RUNNER 2049 Donald Mowat, Kerry Warn
DARKEST HOUR David Malinowski, Ivana Primorac, Lucy Sibbick, Kazuhiro Tsuji
I, TONYA Deborah La Mia Denaver, Adruitha Lee
VICTORIA & ABDUL Daniel Phillips
WONDER Naomi Bakstad, Robert A. Pandini, Arjen Tuiten

Melhor Som
BABY DRIVER Tim Cavagin, Mary H. Ellis, Julian Slater
BLADE RUNNER 2049 Ron Bartlett, Doug Hemphill, Mark Mangini, Mac Ruth, Theo Green
DUNKIRK Richard King, Gregg Landaker, Gary A. Rizzo, Mark Weingarten
THE SHAPE OF WATER Christian Cooke, Glen Gauthier, Nathan Robitaille, Brad Zoern
STAR WARS: THE LAST JEDI Ren Klyce, David Parker, Michael Semanick, Stuart Wilson, Matthew Wood

Melhor Efeitos visuais
BLADE RUNNER 2049 Gerd Nefzer, John Nelson
DUNKIRK Scott Fisher, Andrew Jackson
THE SHAPE OF WATER Dennis Berardi, Trey Harrell, Kevin Scott
STAR WARS: THE LAST JEDI
WAR FOR THE PLANET OF THE APES

Melhor Curta Metragem de Animação Britânica
HAVE HEART
MAMOON
POLES APART

Melhor Curta Metragem Britânica
AAMIR
COWBOY DAVE
A DROWNING MAN
WORK
WREN BOYS

Estrela Ascendente
DANIEL KALUUYA
FLORENCE PUGH
JOSH O’CONNOR
TESSA THOMPSON

TIMOTHÉE CHALAMET

segunda-feira, fevereiro 19, 2018

TRÊS CARTAZES À BEIRA DA ESTRADA



TRÊS CARTAZES À BEIRA DA ESTRADA
“Three Billboards Outside Ebbing, Missouri” é um filme profundamente inquietante e um bom retrato da América de Trump, um país dividido e traumatizado, usando a violência como algo usual e comum, ao serviço das mais variadas razões (e desrazões).
Uma mulher, Mildred Hayes (a fabulosa Frances McDormand), viu a sua filha ser assassinada e violada. Alguns meses depois, as autoridades da pequena localidade de Ebbing não conseguem identificar o autor. Ela acha que há pouca mobilidade e resolve assumir uma atitude inesperada: aluga o espaço de três cartazes decrépitos à beira de uma estrada quase sem trânsito, e coloca neles três frases fatais para o chefe da polícia local, acusando-o de nada ter feito. Os policias reagem com violência e alguma população faz o mesmo. Afinal, o chefe William Willoughby (magnifico Woody Harrelson) é olhado com respeito por todos e todos conhecem o seu estado crítico, atacado por um cancro. É ele que tenta colocar alguma calma nos seus adjuntos, entre os quais um nevrótico Dixon (Sam Rockwell, inesquecível), a quem chega mesmo a dizer: “entre 10 polícias, sete são racistas e os três restantes odeiam maricas”.


Este confronto entre uma mulher que foi abandonada pelo marido, que a trocou por uma jovem de 19 anos, e que nada a recomenda, e a polícia local vai crescendo de violência, tendo pelo meio vários equívocos e pistas falsas. O filme alicerça-se num argumento bastante original e bem estruturado, com personagens fortes e complexas, sem nenhum maniqueísmo, e situações muito bem desenvolvidas. A realização de Martin McDonagh (antes dirigira “Em Burges” e “Sete Psicopatas”), que assina igualmente o argumento original, é clara, eficaz, com momentos de um lirismo e uma sensibilidade tocantes, intercalados com acções de grande vigor e violência. A descrição do ambiente claustrofóbico de uma pequena cidade norte-americana é notável. Interpretações magnificas e vários Oscars assegurados. Quem sabe se O Melhor Filme e alguns dos actores seguramente. Não se percebe muito bem que Martin McDonagh não esteja entre os nomeados para Melhor Realizador.

Um dos melhores filmes do ano. Um retrato implacável da actual América que o realizador considera uma comédia de humor negro. Humor realmente muito negro onde é difícil descortinar uma réstia de esperança. Que existe, apesar de tudo, e vem donde menos se espera.
Classificação: ***** 


TRÊS CARTAZES À BEIRA DA ESTRADA
Título original: Three Billboards Outside Ebbing, Missouri
Realização: Martin McDonagh (EUA, Inglaterra, 2017); Argumento: Martin McDonagh; Produção: Daniel Battsek, Graham Broadbent, Peter Czernin, Rose Garnett, Ben Knight, David Kosse, Martin McDonagh , Diarmuid McKeown, Bergen Swanson; Música: Carter Burwell; Fotografia (cor): Ben Davis; Montagem: Jon Gregory; Casting: Sarah Finn; Design de produção: Inbal Weinberg; Direcção artística: Jesse Rosenthal; Decoração: Merissa Lombardo; Guarda-roupa: Melissa Toth; Maquilhagem: Susan Buffington, Leo Corey Castellano, Cydney Cornell, Jorie Mars Malan, Lindsay McAllister, Meghan Reilly, Alistair Hopkins, Peggy Robinson, Bergen Swanson; Assistentes de realização: Paula Case, Peter Kohn, Spencer Taylor; Departamento de arte: Steven P. Brown, Kenneth Bryant, Lillian Heyward, Jessica Tyler Segal, Whitney Yale; Som: Timothy Cargioli, Jonathan Gaynor, Joakim Sundström, Hannes Wannerberger; Efeitos especiais: Burt Dalton, William Dawson, Eric Dresso; Efeitos visuais: Andrea Aceto, Simon Hughes, George Kolyras, Paul O'Hara, Noga Alon Stein; Companhias de produção: Blueprint Pictures, Film 4, Fox Searchlight Pictures; Intérpretes: Frances McDormand (Mildred), Caleb Landry Jones (Red Welby), Kerry Condon (Pamela), Woody Harrelson (Willoughby), Sam Rockwell (Dixon), Alejandro Barrios (Latino), Jason Redford (Latino2), Darrell Britt-Gibson (Jerome), Abbie Cornish (Anne), Riya May Atwood (Polly), Selah Atwood (Jane), Lucas Hedges (Robbie), Zeljko Ivanek, Amanda Warren, Malaya Rivera Drew, Sandy Martin, Peter Dinklage, Christopher Berry, Gregory Nassif St. John, Jerry Winsett, Kathryn Newton, John Hawkes, Samara Weaving, Clarke Peters, Allyssa Barley, William J. Harrison, Brendan Sexton III, Eleanor T. Threatt, Michael Aaron Milligan, etc. Duração: 116 minutos; Distribuição em Portugal: Big Picture Films; Classificação etária: M/ 16 anos; Data de estreia em Portugal: 11 de Janeiro de 2018.

quinta-feira, fevereiro 08, 2018

A HORA MAIS NEGRA


A HORA MAIS NEGRA
A Inglaterra enfrenta neste momento da sua história algumas dificuldades resultantes do “brexit”. Altura para se tentar reunir as forças e mentalizar a população com exemplos heroicos. Winston Churchill e a sua epopeia durante a II Guerra Mundial serve bem esses propósitos. Uma das razões seguramente para o aparecimento de dois filmes sobre esta figura ímpar da política inglesa do século XX. “Darkest Hour” é um deles e aparece assinado pelo mesmo realizador que também nos dera “Orgulho e Preconceito”, “Expiação”, “Hanna” ou “Anna Karenina”. Mantendo-se ao nível do realizador interessante que escolhe temas de um certo impacto histórico e literário, Joe Wright aproxima-se muito de uma outra obra recente, “O Discurso do Rei”, de Tom Hooper, mantendo com esta algumas das virtudes e certos dos seus vícios. Os vícios são para mim óbvios e facilmente ultrapassáveis se não se pretendesse fazer “obra de arte original”. Referimo-nos a alguns efeitos sem qualquer justificação, panorâmicas por avenidas ao ralenti, planos filmados a pique, mais uma ou outra situação que em vez de beneficiar o filme o distancia do espectador. Depois levanta-se uma questão que é comum a todos os filmes que procuram ficcionar factos históricos e figuras que existiram realmente. Em que medida situações e conversas apresentadas aconteceram efectivamente?  Algumas dessas liberdades poéticas não resultam muito bem, como por exemplo a viagem de Churchill pelo metropolitano de Londres, auscultando a opinião do povo.
O lado interessante é efectivamente a recuperação de um momento histórico importante, a obstinação de Churchill em não ceder perante a capitulação de alguns políticos ingleses e aceitar um pacto de colaboração com Hitler. Churchill sempre foi pela resistência à barbárie.
Os motivos que valorizam decisivamente este filme, são as interpretações de um elenco de um grande rigor, quer da parte de um extraordinário Gary Oldman, muito bem apoiado por uma maquilhagem acima da média, quer pelos restantes secundários.
Com alguma sobrevalorização, “A Hora mais Negra” está nomeado para alguns Oscars: Melhor Filme, Melhor Actor (Gary Oldman), Melhor Fotografia, Melhor Guarda Roupa, Melhor Direcção Artística e Melhor Caracterização. Há dois candidatos com muitas hipóteses, Oldman e caracterização.
Classificação: ***


A HORA MAIS NEGRA
Título original: Darkest Hour

Realização: Joe Wright (Inglaterra, 2017); Argumento: Anthony McCarten; Produção: Tim Bevan, James Biddle, Lisa Bruce, Liza Chasin, Eric Fellner, Katherine Keating, Anthony McCarten, Douglas Urbanski, Lucas Webb, Dario Marianelli; Fotografia (cor): Bruno Delbonnel (Carlos de Carvalho, na segunda equipa); Música: Geoff Alexander (orquestrador);  Montagem: Valerio Bonelli; Casting: Jina Jay; Design de produção: Sarah Greenwood; Direcção artística: Oliver Goodier, Nick Gottschalk, Joe Howard; Katie Spencer; Guarda-roupa: Jacqueline Durran; Maquilhagem: Jo Barrass-Short, Anita Burger, Ella Burton, Diana Choi, Carolyn Cousins, Bob Kretschmer, David Malinowski, Heather Manson, Helen Masters, Flora Moody, Ivana Primorac, Lucy Sibbick, Rosie Sinfield, Naomi Tolan, Kazuhiro Tsuji, Vincent Van Dyke, Jenny Watson, Direcção de produção: Tim Grover, Jo Wallett, etc. Assistentes de realização: Dan Channing Williams, Gayle Dickie, Jonny Eagle, Candy Marlowe, Sarah Mooney, Thomas Napper; Departamento de Arte: Matt Boyton, Freddie Burrows, Tamara Catlin-Birch, James Collins, Stephanie Gibbins, Georgina Millett, Julia Morgantti Minchillo, Julia Newell, etc. Som: Paul Carter, Michael Maroussas, Chris Murphy, Becki Ponting, Mhairi Wyles-Lang, etc. Efeitos especiais: Jonathan Bullock, Neal Champion, George Spensley-Corfield; Efeitos visuais: Miguel Algora, Yan Caspar Hirschbuehl, Patricia Leblanc, Benjamin Magaña, Stephane Naze, etc. Companhias de produção: Perfect World Pictures, Working Title Films; Intérpretes: Gary Oldman (Winston Churchill), Kristin Scott Thomas (Clemmie), Ben Mendelsohn (Rei George VI), Lily James (Elizabeth Layton), Ronald Pickup (Neville Chamberlain), Stephen Dillane (Viscount Halifax), Nicholas Jones (Sir John Simon), Samuel West (Sir Anthony Eden), David Schofield (Clement Atlee), Richard Lumsden (General Ismay), Malcolm Storry (General Ironside). Hilton McRae, Benjamin Whitrow, Joe Armstrong, Adrian Rawlins, David Bamber, Paul Leonard, David Strathairn, Eric MacLennaN, Philip Martin Brown, etc. Duração: 125 minutos; Distribuição em Portugal: NOS Audiovisuai; Classificação etária: M/ 12 anos; Data de estreia em Portugal: 11 de Janeiro de 2018.

domingo, julho 02, 2017

TEATRO: ERÊNDIA! SIM, AVÓ




ERENDIA! SIM, AVÓ


Gabriel Garcia Marquez escreveu, em 1972, um conto a que deu o nome de “A Incrível e Triste História da Cândida Erêndia e da sua Avó Desalmada”. Com base nesse conto, Rita Lello e o colectivo de “A Barraca” criaram um espectáculo chamado “Erêndia! Sim, Avó”. Estreou agora e vai estar no Cinearte até 30 de Julho.
Quando se assiste a um espectáculo qualquer, à saída já sabemos se gostámos ou não. É a reação primeira. Gostei. Bastante. Depois, com maior atenção vamos procurar saber por que gostámos ou não.
A história é simples: Erêndia, uma menina adolescente, com cerca de 14 anos, vive com a sua avó, que trata de forma desvelada. A tudo diz “Sim, Avó”. Na primeira cena, vemo-la a dar banho à baleia da avó. Depois, trata de tudo na casa, vai-se deitar e, descuidada, deixa que uma vela pegue fogo à casa. Salvam-se ambas, mas a avó contabiliza os prejuízos. Um milhão de pesos, que a neta terá de pagar ao longo de oito anos, que lhe vão sair do corpo. A avó “desalmada” calcula tudo: cerca de 60 a 70 homens lhe terão de passar por cima do corpo, diariamente, a uma média de 50 pesos cada. Assim acontece. A avó estabelece-se à porta da tenda e vai cobrando. A miúda vai sofrendo e dizendo “Sim, Avó”. Uma história destas não pode acabar bem. É para ver o que acontece que se assiste à peça.
Mas não se iludam. Uma história destas não é também tão linear assim. Não se trata só da exploração de uma menor pela velha baleia desalmada da avó. Pode pensar-se em algum país, ou países que contraíram pesadas dívidas e que são obrigados a prostituírem-se para pagar o que devem aos seus credores. Não me parece uma leitura excessiva.
Falemos agora rapidamente do espectáculo. Uma excelente encenação de Rita Lello, inventiva, com magníficas soluções cénicas, servida por um elenco muito coeso, onde sobressaem duas mulheres: obviamente a extraordinária Maria do Céu Guerra, que compõe uma personagem de antologia, ao criar a figura descomunal da avó desalmada, entre o odioso e o divertido, e a jovem Sofia Rio Frio, uma quase estreante, que se mostra uma corajosa e talentosa revelação.

Uma das conclusões a tirar é que “A Barraca” consegue erguer um universo que tem muito de Garcia Marquez e do seu realismo mágico. A peça consegue grande densidade e coerência, a que assacamos apenas duas observações. Por vezes fica muito agarrada à escrita de Garcia Marquez, pecando por alguma literatura a mais; em certos momentos da primeira parte sente-se que o ritmo emperra nalgumas mudanças de cena, que são “tapadas” por canções latino-americanas, cantadas ao vivo. Um pouco mais de ritmo e “era brasa”.  

sexta-feira, março 03, 2017

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO E CINEMA




CINEMA NA REITORIA nova temporada



"América, América, Para onde vais?" Ciclo de filmes comentados sobre a América. Todas as quartas-feiras, pelas 17, 30 horas. Reitoria da Universidade de Lisboa. Entrada Livre

O cinema volta à Reitoria da Universidade de Lisboa, numa altura em que tanto se fala dos EUA, de Donald Trump, da nova orientação política da Casa Branca, da América dividida a meio pelas votações entre Republicanos e Democratas, nas manifestações diárias de “Resistência”, de ameaças de racismo e xenofobia, de perseguição e de apelo ao ódio, de generosa receptividade e igualdade de tratamento, de cosmopolitismo e ruralidade, de intelectualidade e operariado, de Texas e Califórnia, de Michigan e Nova Iorque, de uma nação tão diversificada e multíplice no seu passado, presente e futuro.
Altura achada propicia para se olhar a América através de alguns retratos oferecidos pelo cinema nos últimos 100 anos, desde o ainda mudo “O Nascimento de uma Nação”, de David W. Griffith (1915), até “12 Anos de Escravo”, de Steve McQueen (2013). O grande cinema a discutir grandes temas e a proporcionar boas trocas de ideias e muitos momentos de prazer estético e intelectual.
Lauro António
AMÉRICA, AMÉRICA, PARA ONDE VAIS?

15 DE MARÇO DE 2017: O PADRINHO (The Godfather), de Francis Ford Coppola (EUA, 1972), com Marlon Brando, Al Pacino, James Caan; 175 min; Inglês, leg. Português; M/ 16 anos.
Mario Puzo escreveu este documento impressionante sobre uma família mafiosa que controla de forma criminosa o jogo, a bebida, a prostituição. Com a chegada da droga, a “família” renova-se. 

22 DE MARÇO DE 2017: O MUNDO A SEUS PÉS (Citizen Kane), de Orson Welles (EUA, 1941), com Orson Welles, Joseph Cotten, Dorothy Comingore; 119 mi; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
Por muitos considerado o melhor filme de sempre, “Citizen Kane” foca-se sobre a personalidade e a vida de um magnate da comunicação social com ambições políticas.

29 DE MARÇO DE 2017: O GIGANTE (Giant), de George Stevens (EUA,1956), com Elizabeth Taylor, Rock Hudson, James Dean; 201 min; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
Um épico sobre a vida de uma família no Texas do petróleo e das desigualdades sociais. Retirado de um best seller de Edna Ferber.

5 DE ABRIL DE 2017: O GRANDE GATSBY (The Great Gatsby), de Jack Clayton (EUA, 1974), com Robert Redford, Mia Farrow, Bruce Dern; 144 min; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
Segundo romance de F. Scott Fitzgerald, os loucos anos 20 na América. Um retrato desapiedado do luxo e da boémia e uma certa classe social.

12 DE ABRIL DE 2017: FÚRIA DE VIVER (Rebel Without a Cause), de Nicholas Ray (EUA, 1955), com James Dean, Natalie Wood, Sal Mineo; 111 min; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
A revolta da juventude americana durante a década de 50. Um jovem numa nova cidade, com amigos e inimigos, a demissão da família, a incompreensão da sociedade.

19 DE ABRIL DE 2017: NA SOMBRA E NO SILÊNCIO (To Kill a Mockingbird), de Robert Mulligan (EUA, 1962), com Gregory Peck, John Megna, Frank Overton; 129 min; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
Atticus Finch, um advogado, durante o período da Grande Depressão, defende no tribunal um negro acusado injustamente de uma violação… Segundo romance de Harper Lee.

26 DE ABRIL DE 2017: OS HOMENS DO PRESIDENTE (All the President's Men), de Alan J. Pakula (EUA, 1976), com Dustin Hoffman, Robert Redford, Jack Warden; 148 min; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
Bob Woodward e Carl Bernstein, jornalistas do "The Washington Post", investigam o chamado Caso Watergate. que implicou o Presidente Richard Nixon e o levou à demissão.

3 DE MAIO DE 2017: TEMPOS MODERNOS (Modern Times), de Charles Chaplin (EUA, 1936), com Charles Chaplin, Paulette Goddard, Henry Bergman; 87 min; Inglês, leg. Português; M/ 6 anos.
Chaplin é o operário que passa a vagabundo ao nao se adaptar aos tempos modernos e às novas tecnologias e vive com uma jovem sem abrigo.

10 DE MAIO DE 2017: REVOLUÇÃO (Revolution), de Hugh Hudson (EUA, 1985), com Al Pacino, Donald Sutherland, Nastassja Kinski; 126 min; Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
A Revolução norte-americana vista pelos olhos de Tom Dobb, um nova-iorquino que nela participa involuntariamente, depois do seu filho ser recrutado de forma ardilosa. 

17 DE MAIO DE 2017: 12 ANOS ESCRAVO (12 Years a Slave), de Steve McQueen (EUA, 2013); com Chiwetel Ejiofor, Michael Kenneth Williams, Michael Fassbender; 134 min; Inglês, leg. Português; M/ 16 anos.
Nos EUA colonial e anterior à guerra, Solomon Northup, um negro livre de Nova Iorque é sequestrado e reduzido à condição de escravo, passando doze anos de privações.

24 DE MAIO DE 2017: A FÚRIA DA RAZÃO (Dirty Harry), de Don Siegel (EUA, 1971), com Clint Eastwood, Andrew Robinson, Harry Guardino; 102 min; Inglês, leg. Português; M/ 18 anos.
O serial killer chama-se a si próprio “the Scorpio Killer” e ameaça a cidade de São Francisco. O Inspector Harry Callahan irá tomar em mãos esse assunto e resolvê-lo à sua maneira.

31 DE MAIO DE 2017: AMÉRICA, AMÉRICA (America America), de Elia Kazan (EUA, 1963), com Stathis Giallelis, Frank Wolff, Elena Karam; 174 min; Inglês, leg.Espanhol; M/ 12 anos.
Escrito e realizado por Elia Kazan em jeito de autobiografia e homenagem, a história de um grego da Anatólia que sonha com a América.

7 DE JUNHO DE 2017: AS PORTAS DO CÉU (Heaven's Gate), de Michael Cimino (EUA, 1980), com Kris Kristofferson, Christopher Walken, John Hurt; 325 min (versão integral); M/ 12 anos.
A epopeia real da guerra conhecida por Johnson County War, em 1890, no Estado do Wyoming, que opõe fazendeiros emigrantes e os ricos latifundiários que exploram as terras comuns.

14 DE JUNHO DE 2017: TAXI DRIVER (Taxi Driver), de Martin Scorsese (EUA, 1976), com Robert De Niro, Jodie Foster, Cybill Shepherd; 143 min; Inglês, leg. Português; M/ 18 anos.
Um veterano da Guerra do Vietnam trabalha como taxista na cidade de Nova Iorque. Uma personalidade traumatizada e uma sociedade decadente são os elementos essenciais para a explosão da violência.

21 DE JUNHO DE 2017: SHORT CUTS - OS AMERICANOS (Short Cuts), de Robert Altman (EUA, 1993), com Andie MacDowell, Julianne Moore, Tim Robbins; 188 min; Inglês, leg. Espanhol; M/ 16 anos.
Segundo contos de Raymond Carver, este é o dia a dia de alguns dos habitantes dos subúrbios de Los Angeles, num dos admiráveis filmes puzzles de Altman.

28 DE JUNHO DE 2017: NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO (The Birth of a Nation), de D.W. Griffith (EUA, 1915), com Lillian Gish, Mae Marsh, Henry B. Walthall; 165 min; Mudo, Inglês, leg. Português; M/ 12 anos.
Adaptado de "The Clansman: An Historical Romance of the Ku Klux Klan", de  Thomas Dixon Jr., esta é a obra-prima de Griffith que é simultaneamente um infamante filme racista, testemunhando um momento decisivo da história dos EUA: antes, durante e depois da guerra da Secessão. O elogio da Ku Klux Klan.

5 DE JULHO DE 2017: AMÉRICA, AMÉRICA PARA ONDE VAIS? (Medium Cool), de Haskell Wexler (EUA, 1969), com Robert Forster, Verna Bloom, Peter Bonerz; 141 min; Inglês, leg. Espanhol; M/ 12 anos.
Um repórter de televisão acompanha a convenção do Partido Democrata norte americano, no ano de 1968. Acaba envolvido em actos de violência.